Concha y Toro

Ania Smolec 08/01/2016

Comida brasileira e vinho

Compartil

É fácil se apaixonar pela natureza e cultura do Brasil. Podemos nos deixar seduzir pelo Rio de Janeiro com seu lindo monumento do Cristo Redentor, a praia de Copacabana, o carnaval ou um jogo de futebol da seleção; Mas, o que experimentar no Brasil? Como realizar boas harmonizações? Desta vez nos deixamos levar pela sua gastronomia no ritmo do samba.

O Brasil é um país conhecido por sua paixão pelo futebol, sua alegria e seu carnaval que seduz com a música, dança e cores. Mas o Brasil também possui um lado gastronômico muito interessante, que nos permite viajar pelas suas regiões e aproveitar a plenitude e sabores variados.

As raízes da comida brasileira vem de quatro continentes: influências das migrações européias, em sua maioria portuguesa, italiana e alemã, com suas cervejas e receitas de porco e embutidos; uma origem indígena bem marcada, especialmente da Amazônia; e influências africanas e inclusive asiáticas.

Acaraje

O Brasil é um país enorme e cada região contribui com o seu próprio selo distintivo. Por exemplo, no nordeste existe um grande influência da cozinha africana; no norte, uma raíz mais indígena; no sudeste, uma maior preponderância dos imigrantes italianos que trazem vários tipos de massa como os deliciosos capeletti en brodo (com carne e servidos em um caldo). Um prato delicioso que recomendo com um vinho de corpo médio, suculento e saboroso como o Trio Merlot.

Muitas técnicas são de origem indígena, como a carne assada em um painel de barro sobre três pedras ou em forno subterrâneo, mas estas foram adaptadas pelos imigrantes. Uma receita muito popular no Brasil e que possui uma origem indígena é a pamonha. É uma pasta elaborada com milho, envolta em folhas (muito parecida com a humita chilena).

Os africanos levaram suas próprias receitas, mas substituíram os ingredientes originais pelos locais. Estes costumam acompanhar os pratos salgados com frutas, como laranjas. Uma das receitas mais famosas desta cultura é o acarajé, um prato à base de feijão branco frito, coentro e vatapá (camarones deshidratados). Este prato é bem pesado, e por isso precisa de um vinho equivalente. Os feijões e o intenso aroma de camarão pedem frescor e cremosidade. Por isso recomendo o Casillero del Diablo Brut Reserva.

Existem também alguns denominadores comuns no país: uma espécie de comida nacional. Os três pilares brasileiros são: feijão, carne e carboidratos, principalmente arroz, banana frita, batatas e grãos, como o milho e a soja. Estes ingredientes são base de vários pratos, desde a famosa feijoada até a sopa com pedra de origem portuguesa.

Os brasileiros, especialmente os do sul do país, são apaixonados por carne bovina assada, e são verdadeiros mestres em sua preparação. O corte mais conhecido do país se chama churrasco e os restaurantes especializados neste corte se chamam churrascarias. Com um gostoso e suculento churrasco brasileiro, não hesite na escolha do vinho. Abra um Marques de Casa Concha Cabernet Sauvignon e desfrute de sua excelente estrutura, taninos redondos e o inesquecível sabor desta cepa.

moqueca capixaba

Outro ingrediente onipresente é a mandioca e suas variadas formas, como mandioca (farinha) ou tapioca. É utilizada em quase todas as receitas; para preparar pão, engrossar molhos e guisados ou para elaborar algumas sobremesas e doces. Os brasileiros também utilizam muitas frutas, pois seu clima lhes permite desfrutar de uma ampla variedade de frutas tropicais, algumas delas desconhecidas em outras partes do mundo. As mais famosas são: laranja, maga, jaca, açaí, mamão, goiabas, maracujás, abacaxis, fruta-do-conde, cajus (a fruta da castanha). Entre os frutos secos se destaca o pequi (noz), muito popular na cozinha do estado de Goiás. Geralmente é servido com arroz, cajus e leite de côco.

O litoral do Atlântico permite saborear peixes e frutos do mar. Uns dos pratos mais populares em vários estados, desde o Espírito Santo até a Bahia e Pará é a moqueca capixaba. É um tipo de guisado a base de peixe, com tomates e cebola, feito com azeite de palma (outro ingrediente que caracteriza a comida brasileira). O prato é temperado com pimenta e terminado com leite de côco. Com a moqueca recomendo o Casillero del Diablo Shiraz Rosé. Com seu frescor funciona muito bem com a carne de peixe, mas, além disso, suas notas doces harmonizam perfeitamente com molho de tomate.

Uma das preparações mais típicas, considerado como o prato nacional, é sem dúvida a feijoada. Esta receita vem da região carioca do Brasil, mas tem suas raízes em Portugal. É um prato muito gostoso com uma grande quantidade de ingredientes. É preparado à base de feijão preto cozido com carnes e acompanhado com arroz. Podem ser acrescentadas diferentes partes do porco, como pés, orelhas e bacon, além de outras carnes defumadas ou salgadas.

Com este delicioso e abundante prato é necessário um vinho de boa estrutura, com algumas notas defumadas que permitem obter uma harmonização divina e saborosa. Por isso recomendo à vocês experimentá-lo com o Trio Cabernet Sauvignon, um vinho com um corpo maravilhoso que reúne três variedades: o Cabernet Sauvignon entrega concentração e classe, o Syrah traz notas florais e um toque picante perfeito, e o Cabernet Franc contribui com notas herbais e finesse.

Mesmo que existam milhões de receitas e versões de feijoada, apresento à vocês uma muito fácil e que deixará sua cozinha repleta de aromas cariocas.

Feijoada

Ingredientes 4 pessoas

Feijoada

  • 500grs de feijão preto
  • 200grs de bacon defumado
  • 200grs de carne seca
  • 200grs de costela de porco
  • 100grs de linguiça defumada
  • 2 folhas de louro
  • 2 cebolas picadas
  • 2 dentes de alho
  • 1 xícara de arroz
  • Pimenta-do-reino e sal a gosto
  • Azeite vegetal

Preparação

  1. Deixar os feijões de molho e a carne seca também na noite anterior.
  2. Escorrer o feijão e a carne, e folhas de louro. Coloque para ferver em uma panela grande no fogo alto, junto com as costelas de porco, linguiças defumadas e bacon.
  3. Baixar o fogo, tampar e deixar cozinhar por 2 horas no mínimo. Ao terminar, cortar em pedaços finos.
  4. Em outra panela preparar o feijão negro. Cozinhar em água fria e em fogo lento até ferver, e imediatamente tampar a panela e deixar cozinhando por 2 horas.
  5. Refogar o feijão. Em uma frigideira esquente o óleo, coloque as cebolas e alho picado fino e regoque até que fiquem translúcidos.
  6. Um vez pronto, colocar um pouco do feijão preto e amassar com um garfo. O que sobrou coloque com uma xícara de caldo e disponha novamente no fogo por 20 minutos sem deixar de mexer. Seu objetivo é chegar a um caldo muito espesso.
  7. Mexa a carne, o refogado e o feijão, e deixe em fogo lento por mais ou menos 15 minutos para que todos os sabores se combinem. Temperar a gosto.
  8. Servir com arroz.