Concha y Toro

Ania Smolec 25/12/2014

Espumantes da Concha y Toro para celebrar o Ano Novo

Sua acidez característica e estrutura permitem um harmonização perfeita com ingredientes clássicos mas também com muitas receitas internacionais.

Compartil

Os vinhos espumantes são versáteis e de estilos variados. Sua acidez característica e estrutura permitem um harmonização perfeita com ingredientes clássicos como as ostras, mas também são grandes companheiros para muitas receitas internacionais e fusões, como a comida japonesa e chinesa.

A história dos vinhos espumantes começa na França, na região de Champagne. Daí seu nome e prestígio. Antigamente em Champagne produziam-se vinhos tintos, mas os produtores locais observaram um padrão curioso. Durante os invernos frios (a região se encontra no noroeste da França), o processo de fermentação parava e se reativava somente com a chegada da primavera. Isso provocou que aparecessem borbolhas finas no vinho. Os produtores encontraram a maneira de melhorar e controlar este processo de fermentação secundário. Este maravilhoso acidente foi o começo do conhecido método tradicional utilizado para a elaboração dos vinhos espumantes mais finos do mundo.

servicio espumante

Tradicionalmente os vinhos espumantes são elaborados a partir de três cepas (tipos de uva): Pinot Noir, que confere personalidade, nitidez e clareza à mistura; Pinot Meunier, que enriquece o vinho com sofisticação, suavidade e harmonia; e o Chardonnay, que traz cremosidade, estrutura e um bouquet de frutas brancas e flores. Às vezes todas juntas, e às vezes cada tipo de uva em separado, dependendo do estilo, Champagne exportou seu método a outra latitudes. Como se chama o  método? Champonoise, ou método tradicional.

O sucesso e a originalidade de um vinho espumante estão baseados na combinação de uvas cuidadosamente selecionadas, no método de produção e as condições de cada região. O enólgo Marcelo Papa escolheu o Vale de Limarí para a produção dos espumantes da Concha y Toro. Este vale, localizado no norte do Chile, oferece condições climáticas particulares (proximidade do oceano Pacífico) e geológicas (solos com componente calcários). É um lugar privilegiado para o cultivo de Pinot Noir e Chadonnay, que se transformaram na base de seus vinhos espumantes. Estas cepas oferecem frescor, elegantes notas de frutas e um sotaque mineral que seduz e diferencia seus vinhos.

De acordo com o estilo e idade do vinho, o Comitê Interprofissional dos Vinhos de Champanhe divide os espumantes em quatro categorias: para o corpo, para a mente, para a alma e para o coração. Esta classificação também pode ser aplicada aos vinhos espumantes do Chile. Os espumantes para o corpo são fortes, corpulentos, com um estilo ultra moderno e seco, como brut nature, extra brut e brut.

espumante devil’s brut

Se você se inclina aos pratos mais orientais, como sashimi, nigiri e sushi, inclusive com preparações fritas tal como o delicado tempura, recomendamos o Casillero del Diablo Devil’s Brut. Suas notas refrescantes de limões, maças verdes e toques minerais harmonizam muito bem com presunto tipo prosciutto, caviar, anchôvas e salmão defumado. Seu estilo seco e acidez profunda, somado ao caráter salgado destas preparações, são absolutamente compatíveis com uma quantidade quase invisível de açúcar no vinho.

Os vinhos espumantes da mente são os vinhos jovens, vibrantes, frescos, leves e brilhantes, com notas de frutas cítricas como o estilo Blanc de Blanc (100% Chardonnay). Sempre são bem vindos como um aperitivo, geralmente servido com peixes e frutos do mar. Por outra parte, os vinhos espumantes para o coração (esta categoria inclui os estilos demi sec, doce e Rosé) são complexos e amáveis. Dominados pelos aromas de biscoitos de manteiga, bolachas, levadura, mel, tília e às vezes canela, se configuram numa boa opção para as sobremesas como tortas de frutas.

Os espumantes para a alma são maduros, complexos, gostosos, com um bouquet sofisticado, que consiste em sabores como especiarias, notas de mel e frutas doces. Nesta categoria estão os vinhos cuvée e millésimé. O Subercaseaux Grande Cuvée é uma fina mistura de Chardonnay e Pinot Noir que oferece muita elegância e o clássico buquê dos melhores espumantes. Você pode encontrar notas de biscoitos, manteiga e nozes junto com aromas cítricos. A origem de Limarí nos faz sentir a brisa marinha. Este vinho, com toda sua finura, pode ser servido sem acompanhamento, mas também pode brilhar com algumas preparações sofisticadas. Faça seus convidados suspirarem de alegria com o Subercaseaux Grande Cuvée e ostras das águas frias do sul do Chile.

Os vinhos espumantes devem ser servidos frios (é recomendável ter sempre à mão uma cuba com gelo). A primeira etapa da degustação é visual. Observamos a cor, a claridade, o tamanho da “cadeia” de borbolhas e sua permanência na taça. No estágio olfativo, podemos identificar uma grande família de aromas. Sua variedade depende do tipo de vinho e sua composição, desde as notas cítricas da juventude até os tons mais tostados, produto de sua criação com suas borras. E na boca podemos classificar desde um corpo leve e fresco, até um estruturado, acaudalado e cremoso.

A versatilidade dos vinhos espumantes nos dá a oportunidade única de realizar harmonizações com uma grande variedade de preparações, desde os aperitivos até o final de uma refeição. É o vinho perfeito para realçar, com suas borbolhas, estas grandes ocasiões, como as festas de fim de ano e aniversários, mas também para celebrar estes pequenos momentos cotidianos.