Concha y Toro

Ania Smolec 28/08/2014

Rolha ou tampa de rosca?

Compartil

Os mitos da tampa de rosca:

1328192668_cdd_screw2A tampa de rosca é uma cápsula de metal que se empurra sobre o gargalo da garrafa e se pressiona nas ranhuras com um aparelho especial. Essas ranhuras se utilizam para abrir a garrafa e fechá-la novamente.

Um dos mitos mais fortes é que este sistema só se destina para vinhos baratos e de consumo imediato. Mas não é mais que uma barreira psicológica que demonstra que frente ao vinho às vezes somos muito tradicionais.

O outro argumento é que a rolha é melhor porque o vinho pode “respirar”. Contudo, nesta época, a tecnologia permite produzir tampas de rosca com níveis calculados de entrada de oxigênio. Deste modo, os vinhos fechados com este método simplesmente evolvem de diferente maneira, conservando-se frescos por mais tempo, mas sem perder a complexidade e profundidade que confere o envelhecimento aos vinhos.

Por que gostamos da tampa de rosca?

Comparado à tradição da rolha natural, a tampa de rosca é um fenômeno novo. No entanto, nos seus cinquenta anos de história, ocupou rápidamente uma importante cota do mercado. O costo é menor ao da rolha, portanto, sua tecnologia esta disponível para mais consumidores.

Outro fator importante são as ocasiões de consumo. Uma garrafa desarrolhada deve ser consumida rapidamente para que o vinho não se oxide ou perca suas qualidades. Um vinho com tampa de rosca por outro lado, pode tampar-se novamente e ser guardado na geladeira até por duas semanas. Este sistema permite que o vinho conserve todo seu frescor e sabor.

Alguns especialistas afirmam que o vinho fechado com tampa de rosca de alumínio evolve lentamente. O vinho se percebe mais intenso e limpo. Seus aromas aparecem mais frescos. E, o mais importante, o vinho mantém intata sua qualidade! Além disso se pode repetir a qualidade do vinho em cada garrafa, evitando o risco de oxidação.

Por que gostamos da rolha?

1169717_207412202781733_1610428791_nNão esqueçamos que a rolha foi a opção preferida para fechar o vinho, praticamente, desde sempre. A rolha é elaborada com a casca de uma árvore chamada sobreiro. Esta casca tem uma estrutura diferente à das outras árvores. É grossa, porosa e fácil de cortar. Suas qualidades físicas permitem um longo envelhecimento do vinho. Séculos mantindo os vinhos nas adegas o demonstraram!

Por outro lado, o saca-rolhas em si mesmo é todo um ícone. Sem dúvida a cerimônia de abrir uma garrafa de vinho acrescenta valor ao patrimonio cultural. Sentir o som característico quando a rolha sai da garrafa é um rito.

Quando pensamos nos melhores vinhos da Concha y Toro, como pode ser Don Melchor, um Cabernet Sauvignon com potencial de envelhecimento de décadas, é realmente difícil imaginar outro fechamento diferente de uma nobre rolha. Porém, a rolha pode ter diferentes qualidades.

Vinhos como o Don Melchor estão tampados com rolhas de grande qualidade, os que reduzem praticamente para zero o risco de defeitos.

Como pode desapontar-nos a rolha?

Sim, a rolha natural tem muitas qualidades, mas também apresenta fraquezas. A mais comum é o temido “bouchonnée”. Isto significa que o vinho foi afetado pelos TCA, compostos voláteis que provocam aromas e sabores desagradáveis.

Hoje a maioria dos vinhos no mercado são elaborados para consumo imediato. Apenas uma pequena percentagem de vinhos é capaz de resistir de boa maneira o passar do tempo. Com este artigo esperamos ter contribuído para seu maior conhecimento sobre o tema, que aprendesse um pouco mais sobre a tampa de rosca e a rolha, e que possa diferenciar com maior facilidade se prefere o estouro da primeira ou o rítmico giro da segunda.