Concha y Toro

Concha y Toro 13/11/2015

Vinhos brancos, frutos-do-mar e peixes

Compartil

Durante séculos, sommeliers e especialistas têm dito que a harmonia perfeita para os vinhos brancos são os peixes e frutos-do-mar. Veja a seguinte nota e aprenda como tirar vantagem desta grande combinação.

Os vinhos brancos devem ser servidos frios – entre 8 e 12° C– por sua textura mais delicada e menor estrutura que um tinto.

Seus aromas são geralmente frescos e com boa acidez, o qual permite ter notas mais leves na boca.

Quando falamos de harmonia, devemos pensar necessariamente em um complemento de sabores e texturas, por isso os brancos se encaixam perfeitamente bem com peixes e frutos-do-mar.

Vinho com fruto-do-mar

ostionesAlguns frutos-do-mar têm um problema que complica a harmonia em certos casos: o iodo.

O iodo tem um efeito contrário com os taninos dos vinhos tintos. Se produz um sabor metálico na boca que é desagradável.

Além do iodo, os mariscos possuem um sabor que às vezes pode ser forte, e por isso o vinho deve ter uma estrutura parecida e, além do mais, contar com uma boa acidez para atenuar a intensidade do iodo. Esta acidez é encontrada em um Sauvignon Blanc ou em um Riesling.

As notas do barril podem ser muito agressivas e ter muita estrutura para um marisco, então não recomendamos. Um Chardonnay sem guarda em barril pode ser interessante, sempre e quando for jovem, para assim garantir uma boa acidez.

Vinho com peixes

Os peixes podem ser classificados em 3 tipos:

  • Peixes brancos ou magros: os mais delicados são os peixes brancos ou magros por ter muita água dentro de sua composição.

Por isso têm menos de 2%  de gordura para cada 100 gramas de filé de peixe, facilitando a digestão. Como têm pouca gordura, seu valor calórico é de menos de 100 calorias por 100 gramas.

Dos magros mais comuns podemos mencionar o bacalhau, merluza e linguado, entre outros.

Que vinho recomendamos? Algo delicado e sutil, como um Chardonnay sem madeira onde suas notas frutas se mesclam e complementam perfeitamente bem com a delicadeza do peixe.

Atún

Um Sauvignon Blanc com caráter é outra alternativa, sobretudo para os amantes da adição de limão, na ausência de uma salada com creme.

Um Trio Chardonnay pode ser uma alternativa muito complementar e interessante.

  • Peixes semi-magros: têm presença de, pelo menos de 2% até 6% de gordura por 100 gramas. Dos peixes mais conhecidos, está o besugo, rocaz e a truta.

O vinho que recomendamos é algo com mais caráter que o anterior. Pode ser um Chardonnay com uma leve passagem por barris, como o Casillero del Diablo ou um Marques de Casa Concha, sempre que quando servidos à uma boa temperatura.

Se o prato leva um molho cremoso, o segundo vinho é uma melhora alternativa por suas notas mais gordurosas.

  • Peixes azuis, ou peixes gordurosos: possuem entre 8 e 15% de gordura, e por isso seu valor calórico é maior (entre 120 e 200 calorias por cada 100 gramas).Mesmo assim os peixes, em geral, são mais nutritivos que a maioria das carnes de animais terrestres e aves.

Dentro desta categoria se destaca o salmão, o atum e a sardinha, para mencionar os mais comuns.

Como sua textura é mais gordurosa e tem mais fibras, o vinho deve ter o mesmo caráter e estrutura.

Um grande Chardonnay como Amelia e Marques de Casa Concha seriam a combinação perfeita.

Um Pinot Noir também acompanha bem, dado que sua estrutura é delicada e seus taninos aveludados, e por isso sua harmonização é muito divertida.

Estes são apenas algumas dicas para vinhos brancos, mas lembre-se disso: vinho e comida são uma aliança perfeita se você a desfruta como você mais gosta.