Concha y Toro

Francisca Jara 20/01/2021

Compartil

Lifestyle

Ideias para comemorar o #CheeseLoversDay

Quem poderia imaginar que deixar um pedaço de queijo sob a ação dos fungos antes de comê-lo se transformaria em uma das maiores delícias do mundo culinário? Da mesma forma que com o queijo azul, para criar esses círculos repletos de umami (também conhecido como o quinto sabor) chamados “grana padano” é preciso esperar meses para sua maturação e para que possam ser degustados. E ninguém pode negar que o queijo tem a capacidade de transformar qualquer prato. Mas são, sobretudo, uma peça de muito valor por si mesma.

E é por essa e outras razões que no dia 20 de janeiro se comemora o Cheese Lovers Day (ou o Dia dos Amantes do Queijo). É uma homenagem a todos os queijos, porque existem muitos outros que não possuem fungos e que são igualmente deliciosos. Produzidos a partir do leite de distintos animais como cabra, ovelha ou vaca, seus sabores são tão variados como a forma em que podem ser saboreados.

Mas, como você bem sabe, um acompanhante indiscutível do queijo é o vinho. Quando se unem da maneira correta, fortalecem seus aromas e sabores. A seguir, damos algumas ideias para que você possa se inspirar e comemorar em casa com o seu queijo favorito. Ou, por que não, dando uma oportunidade para um tipo de queijo que nunca tenha provado.

  • Queijos e vinhos locais

Na arte da harmonização existe uma técnica que praticamente nunca falha e que tem relação com esse conceito chamado terroir. Falamos de harmonizar produtos provenientes do mesmo território. Por exemplo, a Sicília. Ali é comum encontrar ricota fresca em todos os lados. E, ao mesmo tempo, é dali que provém o vinho doce chamado Marsala. Uma sobremesa bastante simples que fazem por lá é a ricota batida acompanhada por uma redução de Marsala e nozes. Trata-se de uma combinação de sabores que funciona naturalmente. O mesmo acontece quando você prova um queijo de cabra da Cordilheira de Ovalle e o harmoniza com o Amelia Chardonnay do Vale do Limarí. São sabores que se abraçam e que encaixam…pois nasceram no mesmo lugar.

  • Queijos moles e suaves com borbulhas

Para queijos muito suaves e de casca branca, como o camembert ou o brie, elaborados com leite de vaca e a adição de uma porcentagem de creme de leite (que lhe dá uma textura gordurosa a seu sabor doce e frutado), uma boa pedida são os vinhos com acidez alta. Pode ser um vinho branco ou melhor ainda um espumante como o Casillero del Diablo Devil’s Brut, cujas borbulhas ajudarão a limpar o paladar ao mesmo tempo que respeitarão a delicadeza deste queijo. Agora, se optar por um queijo com maior quantidade de creme de leite como o Delice de Bourgogne (triplamente suave), um vinho espumante mais complexo como o champanhe seria a harmonização perfeita. E caso prefira os tintos, você também pode provar com um Pinot Noir ou um rosé.

  • Vinho branco com queijo derretido

Embora não se trate de um queijo em particular, derretido provavelmente seja uma das formas mais deliciosas de saboreá-lo. Torna-se versátil, sua textura muda e novos sabores aparecem. Para aqueles que amam essas preparações típicas da montanha como o fondue e a raclette (que consiste basicamente em combinar vegetais ou carnes com queijo derretido), ou uma simples mozzarella derretida, uma boa ideia é acompanhá-las com vinhos brancos aromáticos e de acidez crocante como o Terrunyo Sauvignon Blanc.

  • Queijos semimaduros com vinhos tintos robustos

Este tipo de queijo costuma maturar por pelo menos 6 meses e se caracteriza por seu sabor suave e aroma leve. Como não são muito úmidos, sua fragrância nunca é forte. Neles, porém, destacam-se os intensos sabores um pouco doces a manteiga e avelã, além de serem ótimos para derreter. Você sabe de quem estamos falando? Daqueles queijos clássicos que costumam estar cobertos por uma camada de cera: gouda, gruyère e cheddar. Para combinar com estes sabores, o melhor é escolher um vinho tinto com bastante corpo como o Terrunyo Cabernet Sauvignon ou o Casillero del Diablo Carmenere Reserva que são capazes de sustentar e destacar o queijo, equilibrando a gordura com esses taninos que secam a boca. Uma mistura na qual o vinho não opaca o queijo e vice-versa. Prefere os brancos? Chardonnay e gruyère é uma combinação infalível.